SOLUÇÕES

Cabeamento estruturado é como chamamos a técnica ou metodologia que compreende a disposição padronizada de conectores, cabos metálicos, cabos de fibra óptica e outros meios de transmissão para redes, sejam de telefonia ou informática, dentro de uma infraestrutura tecnológica.

Esta disposição deverá servir ao tipo de layout e às aplicações necessárias do local em redes de servidores, estações de trabalho, telefonia, internet e impressoras.

Todos os cabos de rede que servem a estas aplicações devem estar organizados sistematicamente para que as redes tenham melhor conectividade, melhor transmissão de dados e flexibilidade no caso de mudanças, demandas por aumento de estações e novas aplicações.

Os principais benefícios de uma rede estrutura e dentro das normas técnicas são:
- Redução de Custos
- Garantia de Segurança
- Vantagem competitiva na tecnologia da informação
O Cabeamento Estruturado é o Investimento para o Avanço da Empresa.

DETECÇÃO E ALARMES


DETECÇÃO E ALARMES

A proposta conceitual dos Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio é detectar o fogo em seu estágio inicial, a fim de possibilitar o abandono rápido e seguro dos ocupantes do edifício e iniciar as ações de combate ao fogo, evitando assim a perda de vidas, do patrimônio e também evitar contaminação do meio ambiente.

Um sistema de alarme de incêndio possui três elementos básicos dentro do conceito operacional do sistema, que podemos descrevê-los como detecção, processamento e aviso.

O primeiro elemento (detecção) é a parte do sistema que “percebe” (detecta) o incêndio. Aqui podemos chamá-los de sensores (Detector de Fumaça, Calor, Chama, Gás, etc…) ou dispositivos de acionamento manual (Botoeiras).
O segundo elemento envolve o processamento do sinal dos diversos tipos de detectores de incêndio ou acionadores manuais, que enviam o sinal de detecção de incêndio do local do fogo até um painel (Central de Incêndio).
Por último, a Central de Incêndio ativa o aviso por meio de sinalização visual e/ou sonora (Sirenes, Estrobos, etc…), com o objetivo de alertar os ocupantes e também acionar dispositivos auxiliares para operação de outros sistemas (Abertura de Portas, Sistemas de Alarme, etc…)

SEGURANÇA ELERÔNICA


SEGURANÇA ELERÔNICA

Na área de sistemas de monitoramento e segurança eletrônica, CFTV é a sigla utilizada para Circuito Fechado de TV, que teve origem na sigla em inglês para o mesmo serviço, o CCTV (Closed Circuit Television).
Na prática o CFTV ou Circuito Fechado de TV nada mais é do que um sistema de monitoramento interno, realizado através de câmeras distribuídas e conectadas a um sistema central, que disponibiliza as imagens através de monitores assim como realiza a gravação desses registros.

O CFTV é utilizado principalmente para monitoramento e vigilância, visando registrar incidentes de segurança, vandalismo, comportamento indevido e diversas outras ocorrências. No entanto vem sendo muito utilizado também para outros fins, como monitoramento viário, para fins ambientais, comportamentais, segurança do trabalho, entre outros.

Através do uso do CFTV é possível que uma equipe de segurança monitore em tempo real e até remotamente o que está acontecendo em cada ambiente, 24 horas por dia, e tome as ações necessárias quando alguma anormalidade é detectada.
Além disso, ele possibilita que as imagens registradas fiquem gravadas e que possam ser analisadas posteriormente, auxiliando na identificação de suspeitos e até sendo utilizadas como provas em processos legais.

Outra vantagem é que a presença de um sistema CFTV, principalmente devido às câmeras, inibe a ação de criminosos e pessoas mal intencionadas, pois fica claro que tudo que está sendo feito naquele ambiente está sendo monitorado e registrado.

TELECOMUNICAÇÕES


TELECOMUNICAÇÕES

Em um sistema de telecomunicações, as informações do emissor são temporariamente convertidas em sinais elétricos (tensões elétricas que variam com o tempo), para que possam trafegar pelo sistema até que cheguem ao destino, onde são novamente convertidas em informações inteligíveis pelo destinatário. Esses sinais elétricos são denominados sinais elétricos da informação. Tais sinais podem ser analógicos ou digitais.

Os sinais analógicos são aqueles gerados por dispositivos transdutores, ou seja, dispositivos eléctricos capazes de converter um tipo de energia em outro. Ja os sinais digitais são aqueles gerados por dispositivos da eletrônica digital, como é o caso dos circuitos integrados: chips, microprocessadores etc. Dada a sua natureza, os sinais digitais são pulsos elétricos binários, ou seja, bits 0 ou 1, em que "zero" significa "ausência de tensão elétrica" e "um" significa "presença de tensão elétrica"
Os sistemas de telecomunicações podem ser classificados segundo diferentes critérios

Quanto ao fim a que se destina
• Governamental: quando pertence a um órgão governamental e não é utilizado para fins comerciais. Exemplo: sistema de radiocomunicação utilizado pelas polícias.
• Comercial: quando é administrado por empresa, geralmente privada, que cobra pelos serviços prestados. Exemplo: empresa privada que ofereça serviços de telefonia móvel celular e de acesso à internet.
• Privado: quando pertence a um indivíduo ou grupo de indivíduos e é utilizado para atender aos interesses particulares dessa(s) pessoa(s).
• Amador: quando é utilizado, sem fins lucrativos, para fins de lazer ou de utilidade pública.
• Experimental: sistema montado para fins de testes, podendo ou não vir a ser posteriormente disponibilizado para utilização por terceiros.
• De pesquisa: sistema cuja finalidade precípua é a obtenção de dados que possuam valor científico.

Quanto à abrangência territorial
• Local: quando se restringe a uma área específica, como uma edificação, um bairro ou distrito, ou ainda uma cidade ou município.
• Regional: quando engloba uma porção territorial do país, como por exemplo um estado ou conjunto de estados.
• Nacional: quando engloba todo o território de um país.
• Internacional: quando transcende as fronteiras de um país. É o caso da internet.

Quanto à utilização
• Militar: quando de uso exclusivamente por militares e instituições militares.
• Civil: quando de uso exclusivamente por civis e instituições civis.
• Dual: quando de uso civil e militar

RADIOCOMUNICAÇÃO


RADIOCOMUNICAÇÃO

O rádio é um sistema de comunicações através de ondas eletromagnéticas propagadas no espaço, que por serem de comprimento diferente são classificadas em ondas curtas de alta frequência ou ondas longas de baixa frequência, assim, utilizadas para fins diversos como televisão, rádio, avião, etc.

Os sistemas de comunicações normais são formados por dois componentes básicos:
Transmissor – composto por um gerador de oscilações, que converte a corrente elétrica em oscilações de uma determinada frequência de rádio; um transdutor que converte a informação a ser transmitida em impulsos elétricos equivalentes a cada valor e um modulador, que controla as variações na intensidade de oscilação ou na frequência da onda portadora, sendo efetuada em níveis baixo ou alto. Quando a amplitude da onda portadora varia segundo as variações da frequência e da intensidade de um sinal sonoro, denomina-se modulação AM. Já quando a frequência da onda portadora varia dentro de um nível estabelecido a um ritmo igual à frequência de um sinal sonoro, denomina-se modulação FM.

Receptor – Tem como componentes principais: a antena para captar as ondas eletromagnéticas e convertê-las em oscilações elétricas; amplificadores que aumentam a intensidade dessas oscilações; equipamentos para demodulação; um alto-falante para converter os impulsos em ondas sonoras e na maior parte dos receptores osciladores para gerar ondas de radiofrequência que possam se misturar com as ondas recebidas.

  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca
  • Marca